0

A nova Berlim!

Berlim é singular. Ela possui um contraste perceptível entre toda sua modernidade com seu passado. A cidade transborda história e também multiculturalidade.

Eu sempre fui apaixonada por Berlim. Apesar de esta não ter sido uma das viagens mais tranquilas que tive, eu continuo morrendo de amores pela capital alemã…

Cheguei no aeroporto Schönefeld numa quase madrugada, onde os termômetros marcavam -7°C. Já havia nevado um pouco e a paisagem era deslumbrante para quem nunca havia visto neve na vida. Apanhei o s-bahn (sistema de trens rápidos) com destino ao hostel Inn-Berlin que fica na Prinzenallee.

Minha estada em Berlim seria de duas noites, ou seja, tive apenas um dia e meio para “turistar” pela cidade. O tour começou por um dos símbolos mais famosos da cidade, o Brandenburger Tor (Portão de Brandemburgo), com o qual fiquei fascinada!

DSC_0255

Eu e meus companheiros de viagem, o Portão de Brandemburgo e o Mickey 🙂

Após uma sessão básica de fotos, atravessamos o portão e seguimos em direção ao parque Tiergarten, um parque gigante que fica bem no centro, para “brincar” na neve.

Tiergarten coberto de neve <3

Tiergarten coberto de neve ❤

 

Prosseguindo com o tour, visitamos o Memorial do Holocausto, lugar para refletir e aprender um pouco mais sobre História.

Ainda passamos pelo Palácio do Reichstag onde fica o parlamento alemão. Um prédio que é a cara de Berlim: a fachada antiga, com uma cúpula moderna, feita de vidro, ao fundo. Próximo ao Reichstag, acidentalmente (porque nem sabíamos da existência) encontramos o Memorial to the Sinti and Roma of Europe murdered under national socialism, que fez com que algumas lágrimas escapassem dos meus olhos espontaneamente.

Novamente apanhamos o s-bahn, mas desta vez o destino era a East Side Gallery. Uma galeria a céu aberto feita em dos marcos históricos mais famosos do planeta: O muro de Berlim!

Depois de muuuuuitas fotos no muro, seguimos para a Alexander Platz. Famosa praça de comércio, com um fluxo enorme de pessoas (mesmo nas temperaturas negativas) e muuuuuitas lojas para fazermos a festa!

Nossa última parada foi na Berliner Dom, a catedral que situa-se na Ilha dos Museus, estava meio escura (já passava das 20h) e branquinha de neve.

Se você for a Alemanha, não deixe de visitar Berlim. Seja em qualquer estação, a capital alemã vai conquistar você!

Dica: Utilize sempre o S-bahn ou o U-bahn (uma espécie de bonde) para se movimentar dentro da cidade. Além de ser barato, é um meio fácil e rápido de se deslocar por Berlim. 

Dica 2: Quando for utilizar os sistemas de trens, confira se você comprou o ticket correto e se validou antes de entrar no vagão. Confusões podem levar você a ter que pagar uma multa e ir parar na delegacia (true story!). Por isso, tenha atenção!

Dica 3: Não deixe de provar o Apfelstrudel, é simplesmente delicioso! ❤ 

Termino este post com um poema que li em uma placa de mármore que encontrava-se no Memorial to the Sinti and Roma of Europe murdered under national socialism e me chamou muita atenção:

Pallid face, dead eyes (Rosto pálido, olhos mortos)

cold lips, Silence (lábios frios, silêncio)

a broken heart, without breath (um coração partido, sem respiração)

without words, no tears. (sem palavras, sem lágrimas).

(Não consegui identificar o autor)

Até a próxima!

Ana C. Morello

0

Menos de 100 dias

93 dias. Esse é o saldo que temos aqui, antes de as portas entrarem em automático e o avião subir… Dez horas depois estaremos em São Paulo, pegando outro avião em direção a Florianópolis.

20131126-182045.jpg

Confesso que ainda não consigo definir um sentimento ao olhar estes números. Uma coisa que posso afirmar é que, a primeira vista, tive uma crise. Das grandes.

Tive um sentimento de que passei 81 dias aqui e não fez metade das coisas que queria ter feito até então.

Olho novamente para a foto. 93 dias para dar aquele abraço na família, rever os amigos e matar as saudades de casa. É um conflito dolorido que mexe com o racional e emocional da pessoa.

Eu já disse isso antes, mas volto a repetir: cada dia aqui é uma nova experiência, um novo aprendizado, uma oportunidade única…

Tenho certeza que quando voltar, lembrarei de cada momento desses 174 dias aqui.

Mas a curto prazo, vou seguir o conselho de uma amiga que nas entrelinhas dizia: “aproveite cada segundo que você tem aí, faça tudo o que quiser fazer, viva esses dias restantes e não fique pensando no amanhã…”.

Para fechar este post, deixo um trecho de uma música do Legião Urbana, uma das minhas favoritas (tanto a música quanto a banda) que sempre fez muito sentido, mas agora é quase lema de vida!

… Todos os dias, antes de dormir,
Lembro e esqueço como foi o dia,
Sempre em frente, não temos tempo a perder…

Beijinhos,

Ana Caroline Morello.

0

Um pouco de tudo até aqui.

Para ilustrar o post, uma foto do Jardim de Santa Bárbara. O lugar mais bonito, colorido, fresco, calmo e cheiroso de Braga.

Antes, quando eu olhava os blogs sobre intercâmbio eu pensava “nossa, mas essa galera demora muito pra postar”. Agora que eu faço parte dessas pessoas eu vejo que quase nunca sobra tempo pra postar nos primeiros dias. E não é por não querer, é que tem tanta coisa pra ver, fazer, resolver, conhecer que a gente tem que abrir mão daqui um pouco pra poder viver tudo. Então, quero começar esse post pedindo desculpas.

Agora, já fazem três semanas que estamos em Braga, e já deu pra se acostumar minimamente a tudo. A Ana já falou um pouco sobre a cidade. Eu só tenho uma coisa a acrescentar: chove muito aqui. A época das chuvas começou agora, e dizem que até janeiro não vai parar mais. Outra coisa para dizer referente ao clima é o frio, vi uma reportagem dizendo que o inverno na Europa desse ano vai ser o mais rigoroso dos últimos 100 anos. Ou seja: tenho que ir logo as compras e garantir meus casacões. Quem sabe até neve dê em Braga.

Já temos um teto, já temos amigos, as aulas já começaram e até já temos trabalhos para próxima semana. As duas primeiras semanas de aula que passaram foram mais calmas, mas pelos cronogramas dos professores já vi que é bom me preparar. Gostei muito das disciplinas que escolhi, acredito que vão acrescentar muito na minha formação. Além das cadeiras de comunicação, vou aproveitar e fazer o curso básico (A1) de alemão. (Outra coisa que já começaram foram as viagens, mesmo que ainda pequenas. Já conhecemos algumas cidades de Portugal próximas a Braga e já até compramos passagens para Paris).

Por falar em alemão, vem acontecendo uma coisa engraçada comigo. Uma grande parte das pessoas com quem falo aqui, seja portugueses, brasileiros ou de onde for, conversam pela primeira vez em inglês comigo porque não acreditam que sou brasileiro. Segundo eles, tenho muito jeito de alemão. Ai tenho que explicar que sou de uma região do brasil que foi colonizada por alemães e etc…

Mas esse tempo aqui, mesmo que ainda curto, já tem sido de enorme aprendizado. Já sei lavar e passar roupas, fiquei mais organizado, fiz amigos, vi e vivi coisas completamente novas para mim. Sem dúvidas muito ainda vai acontecer, e estou de coração aberto para tudo que chegar.

Até a próxima (prometo que será mais breve dessa vez).

2

Chegamos!

Hoje oficialmente fazem duas semanas que embarcamos para essa aventura louca. Os primeiros dias foram um pouco difíceis por conta da adaptação, estabilização. Mas aqui estamos nós.

Vou contar para vocês que Braga é uma cidade maravilhosa, que nos acolheu de braços abertos e ama os estudantes erasmus (como chamam os intercambistas aqui).

A cidade é histórica, umas das mais antigas de Portugal, conhecida antigamente como Bracara Augusta, com mais de 2 mil anos de fundação. Além de toda essa notável história, Braga ainda conta com uma série de igrejas, se tornando uma das cidades mais religiosas de Portugal.  Salvo a isto, Braga recebe inúmeros estudantes de intercâmbio todos os semestres e foi eleita a Capital européia da Juventude.

As aulas na Universidade do Minho começaram nesta semana, mas como ainda estamos em processo de aprovação de plano de estudos, começaremos a estudar de verdade na próxima semana. Contudo, já demos o ar de nossa graça na faculdade e por sinal, adoramos! Fomos MUITO bem recebidos!

Durante essas duas semanas já conhecemos algumas cidades próximas a Braga como Guimarães, Póvoa de Varzim, Vila do Conde e Porto. Confesso que Porto foi amor à primeira vista. A ribeira do Rio Douro é maravilhosa, o clima da cidade passa paz e ver o pôr-do-sol em cima da Ponte D. Luís I para mim, foi o ponto alto do dia.

Todos os dias aqui em Portugal é um novo aprendizado. Todos os dias conhecemos novas pessoas, novas histórias, novas culturas. O intercâmbio é uma experiência que eu recomendo à todos que eu conheço, não existe uma época em que possamos vivenciar tamanha diversidade e posso arriscar dizer, tamanha felicidade.

Por hora é isso!

Para finalizar, eu deixo com vocês uma das frases mais usadas pelos Erasmus aqui em Portugal:

“Esse vai ser o melhor ano das suas vidas!”.

Já está sendo hahaha.

Beijinhos,

Ana Morello

0

About changes.

Pego o calendário e começo a contar os dias. Já são quase 20h de um domingo qualquer, tô sozinha em casa. O silêncio só é quebrado pelo barulho das teclas do notebook. Entre um bate-papo e outro no facebook, começo a perceber que o grande dia está chegando…

Nessa semana já começam as despedidas, mesmo que eu embarque só na próxima semana. O coração aperta só de imaginar ter que dizer um até logo. Mas, mesmo assim, continuo radiante e firme de que tomei a decisão certa.

Ainda não tirei as malas do sótão, muito menos planejei o que colocar nelas. Dei uma rápida olhada nos documentos e comecei a fazer uma checklist de lugares que quero conhecer.

Hoje comecei uma limpeza no meu quarto. Cortei o cabelo e já tô querendo mudar mais algumas coisas.

Mudar. Uma palavra tão simples, definida pelo dicionário como transformar, substituir…

Acho que a ideia do intercâmbio é essa: transformar as pessoas. Substituir a rotina. Deixar pra trás algumas coisas ruins (e as lembranças boas também!) e aquelas coisinhas bobas que te aborrecem às vezes. Mas também nos fazer abrir a mente para novas experiências, viver novos ares.

Como qualquer outra decisão sempre temos que lidar com as consequências, que no caso pode ser definida como saudade…

Mas acho que vale a pena, não é?

Termino o meu post com a promessa de escrever em breve e também com um trecho de uma música linda da MPB que merece ser compartilhada:

E assim chegar e partir, são só dois lados da mesma viagem
O trem que chega, é o mesmo trem da partida
A hora do encontro é também despedida, a plataforma dessa estação é a vida desse meu lugar. (Encontros e Despedidas – Milton Nascimento).

Ana C. Morello.

0

Hora do terror: o visto!

visa2

Inscrição feita e aceita, PB4 em mãos e passagens compradas. Tudo muito bom, tudo correndo bem, só faltava uma pequena coisa: O VISTO (ou Visa). Foram três semanas preparando os documentos com cuidado extremo para que nada fosse esquecido, afinal, o plano era uma viagem apenas para Curitiba (local do Vice-Consulado). A lista para dar entrada no pedido de visto é extensa, mas foi bem explicada, então nessa parte de “interpretação” não tivemos muitos problemas. Massante mesmo foi correr atrás da papelada.

No Vice Consulado de Curitiba (como no caso do PB4, aqui a história é a mesma: se informe sobre os documentos no consulado da sua região), os documentos pedidos foram os seguintes:

1) Formulário de pedido de visto preenchido online, aqui (obs: preencha “São Paulo” em campo consular).

2) 3 fotos 3×4 coloridas e atualizadas.

3) Passaporte original com validade superior a 3 meses.

4) 1 fotocópia autenticada do passaporte (folhas com número e assinatura, folhas de identificação e folhas carimbadas).

5) 1 fotocópia autenticada da identidade.

6) original da certidão de antecedentes criminais, com menos de 90 dias emitida pela PF (não é aceito o pelo internet). Atenção aqui: esse documento geralmente leva 7 dias para ficar pronto, e se deve ter a assinatura do escrivão reconhecida em cartório.

7) Fotocópia autenticada do PB4.

8) Comprovativo das condições de alojamento em Portugal. Nossa universidade enviou junto com a carta de aceite essa confirmação. (Se não conhecer ninguém em Portugal, apresentar reserva de hotel superior a 5 dias)

9) Comprovativo da existência de meios de subsistência em Portugal. Uma declaração de responsabilidade assinada pelos pais, com firma reconhecida, e o último imposto de renda. Vale também levar algo demonstrativo do salário dos pais.

10) Carta de aceite da universidade Portuguesa. E uma carta da universidade Brasileira confirmando a seleção do aluno para o intercâmbio.

11) Carta de intenções, dizendo quanto tempo pretende ficar em Portugal, como conseguiu o intercâmbio, porque ele é importante e etc.

12) Comprovante de endereço em nome do requerente.

13) Reserva de passagem.

14) Fotocópia de TODOS OS DOCUMENTOS ACIMA SOLICITADOS. Nada de relaxar nessa parte, o vice-consulado não tira xerox na hora!

15) A acta de entrevista, declaração de responsabilidade e o requerimento para a polícia portuguesa. (esses três documentos vieram em anexo a lista que recebi do CRI, depois é só imprimir e preencher)

Com tudo em pastas organizadas ao extremo, cuidadas e guardadas com segurança máxima, partimos na madrugada fria de uma sexta feira rumo a Curitiba. Porque, segundo fontes “seguras”, o horário de atendimento era no estilo quem chegar primeiro ganha. Pensávamos que a partir das 6:30 da manhã seriam distribuídas senhas na portaria do prédio do consulado, e o atendimento começaria de verdade as 8 horas. Só pensávamos mesmo…

Não foi assim?

NÃO! Chegamos lá 6 horas da manhã (no típico frio de Curitiba nessa época). E qual foi nossa surpresa ao descobrir que o sistema de senhas não era mais necessário, e que o atendimento começava para todos as 8hrs (isso porque era sexta feira, nos demais dias só 9:30). Das 6 as 8hrs ficamos no saguão do prédio, tremendo de frio e de medo e conversando com um paraguaio que nasceu em Macau mas que dizia que era Português e trabalhava no Brasil mas falava espanhol (hã???).

Depois disso, entramos e o atendimento em si foi bem rápido. Só alguns problemas com o sistema (típico), o que fez a gente passear um pouco pelo centro da cidade procurando um scanner. Depois de tudo entregue e confirmado, só o que restava era esperar, esperar e esperar. Contávamos com um prazo de 30 dias de angústia até a confirmação.

Após receber a confirmação do consulado por email, você deve encaminhar o passaporte junto com os papéis que eles solicitam por sedex para o consulado de Curitiba, de lá eles mandam para São Paulo para colocar o adesivo do visto no passaporte, depois mandam de volta para você. Para nossa sorte, todo o processo (da visita ao consulado até a chega por correio) aconteceu em mais ou menos 20.

Agora é só alegria.

(advertimos que os títulos dos posts pode ser um pouco exagerados, nada preocupante)

0

O lendário (e temido) seguro PB4

O Fato: se você quer viajar para Portugal e ficar por lá por um período mais longo, você precisa de um seguro de saúde. É algo que o consulado pede como requisito para o visto (E mesmo se o consulado não pedisse, era algo que é bom ter. Nunca se sabe o que pode acontecer, não é?), ou seja, comece a procurar e providenciar tudo o quanto antes.

Na verdade providenciar e preparar tudo o quanto antes é talvez o conselho mais certo que eu posso dar para você que está reunindo documentos para a viagem. Algumas coisas que são pedidas, demoram um pouco para ficarem pronta. Nada de deixar para a última hora! Programe-se e comece já, trate tudo como se fosse pra ontem!

Pois bem, voltando ao seguro. Quem viaja para Portugal tem duas opções: pode comprar um seguro de viagem, daqueles tradicionais. Qualquer agência de viagem oferece o serviço, o preço é algo em torno de R$700 a R$1.000 (ou até mais dependendo do que você procura). Consulte um agente de viagem da sua região para saber mais.

Mas, pra quem procura alguma opção mais barata, existe o PB4, que praticamente sai “de grátix”.

Mas afinal, o que é o PB4? É um acordo entre Portugal e Brasil (por isso PB), que dá aos contribuintes do INSS, o direito de assistência médica e hospitalar em terras portuguesas com os mesmos direitos e taxas de um cidadão local (o mesmo vale para portugueses em nossas terras). Ou seja, se você ficar doente, pode chegar em qualquer hospital e apresentar seus documentos, que será tratado (e cobrado) como um cidadão português.

E quem pode tirar? Todos que contribuem com o INSS. E quem não contribui? Pode começar a contribuir, pagando como autônomo, mais precisamente como “contribuinte facultativo”. Você vai pagar as três parcelas mínimas exigidas (cerca de R$: 230) e já pode solicitar o seguro. Ou, se você tem menos de 21 anos e não é contribuinte, mas seu pai e/ou mãe são, você pode solicitar o seguro como dependente.

Entendi, e como tirar? Você deve procurar o Ministério da Saúde da sua região. Eu poderia falar aqui quais documentos e qual o passo a passo para ter o documento em mãos, mas não vou.

Porque? Antes de finalmente tirar o PB4, eu entrei em todas as páginas possíveis sobre isso na internet, e cada uma delas dizia uma coisa. No final, o meu processo foi diferente de todos outros. Só soube realmente o que eu precisava quando liguei para o Ministério do meu estado e me informei (com a Quica, que foi super querida e atenciosa). Acredito que cada secretaria tenha um padrão para emitir esse documento, então o mais certo a se fazer é ligar e se informar sobre eles.

Atenção: Tirei o PB4 em Florianópolis. Então, só leve a lista abaixo a sério SE e somente SE você pretende tirar o documento lá também!

  • Xerox da reserva da passagem
  • Xerox do passaporte (folhas de identificação, 1ª e 2ª páginas)
  • Xerox da identidade e CPF
  • Xerox da carta de aceite da faculdade
  • Xerox do comprovante de residência
  • Xerox da carteira de trabalho: página da fotografia, dados pessoas e contrato de trabalho (para os contribuintes)
  • Xerox do carnê da contribuição da previdência, último mês contribuído (para os autônomos)

Endereço: Praça Pereira Oliveira / Centro – Florianópolis. Telefone: (48) 3222-8567

P.S: O documento em Florianópolis sai na hora. Depois de ter em mãos, você ainda tem uma missão na mesma rua: no cartória ali pertinho, reconhecer firma de quem lhe entregou o documento (aproveite e já tire uma cópia autenticada, é ela que você deve apresentar no consulado). Depois disso, tudo ok!

Viu, o PB4 nem é tão temido assim…

Espero ter ajudado, qualquer dúvidas deixem nos comentários. (: